Igreja Batista Fundamentalista Cristo é Vida

Bíblia Online

[ cristoevida.com ]

  • youtube
  • Instagram
  • twitter

Mensagem Pastoral

IGREJA BATISTA FUNDAMENTALISTA CRISTO É VIDA
www.cristoevida.com


A Importância do Túmulo Vazio de Jesus


A IMPORTÂNCIA DO TÚMULO VAZIO DE JESUS

Jardim do Túmulo, em Jerusalém – Local do Túmulo (vazio) de Jesus Cristo


Jardim do Túmulo, em Jerusalém – Local do Túmulo (vazio) de Jesus Cristo

 

RÉPLICA DO TÚMULO VAZIO DE JESUS

Réplica do Túmulo Vazio de Jesus Cristo
Réplica do Túmulo Vazio de Jesus Cristo

 

 

            O turista ao visitar Israel vê muitos lugares descritos na Bíblia Sagrada. São locais impressionantes: o Mar da Galiléia, o Monte do Templo, o Tanque de Betesda, a Cidade de Belém, etc. Mas, quando ele chega ao Túmulo de Jesus, seu coração dispara, pois ele é lembrado de Mateus 28:6, quando o anjo disse às mulheres que foram visitar o túmulo de Jesus: “Ele não está aqui, porque já ressuscitou dentre os mortos, como havia dito. Vinde, vede o lugar onde jazia” .

 

Convidamos você e sua família para assistir a um Documentário e um Estudo Bíblico sobre a Morte e a Ressurreição de Jesus

 – Dia 02 de novembro – 19:30 horas -

Igreja Batista Fundamentalista Cristo é Vida

Avenida K, 911 – Planalto da Barra
(por trás do Hospital Gonzaga Mota)

Fones: (85) 3286-3330 – 3214-1412 – 9912-0017 (tim) – 8899-0476 (oi)

 

 

A IMPORTÂNCIA DO TÚMULO VAZIO DE JESUS

 

Foto do Túmulo de Jesus – Jerusalém - Israel

Foto do Túmulo de Jesus – Jerusalém - Israel

 

“Ele não está aqui, porque já ressuscitou, como havia dito.

Vinde, vede o lugar onde o Senhor jazia.”

Evangelho de Mateus – Capítulo 28 – Versículo 6

 

            O túmulo vazio de Jesus, em Jerusalém, conforme o relato dos Evangelhos, é um grande testemunho sobre a Pessoa e a Obra de Jesus Cristo (fotos  e mais detalhes podem ser vistos no site: www.cristoevida.com).

            João Batista apresentou Jesus: “Eis o Cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo” (João 1:29). Cordeiro é o animal que era sacrificado, no Antigo Testamento, no lugar do pecador. Homens, arrependidos, levavam cordeiros ao Templo, onde eram sacrificados como substituição à vida dos homens, pois a Lei de Deus requeria que todo homem que pecar deveria morrer.  Aqueles sacrifícios representavam o SACRIFÍCIO PERFEITO que um dia Deus enviaria Seu próprio Filho para morrer pelos pecadores.

            Jesus, o Filho de Deus, deixou-se sacrificar na CRUZ. Morreu para nos oferecer perdão, e ressuscitou para a salvação de todo o que nEle crê – Romanos 4:25.

            Veio salvar o perdido. Como venceu o pior inimigo do homem:  a Morte, então Jesus pode salvar completamente todo aquele que vai a Ele. Não importa qual seja a tua situação, Jesus pode perdoar-te, salvar, restaurar a tua vida e dar-te um novo começo.

            Lembra-te das palavras de Jesus: “Vinde a Mim todos que estais cansados e oprimidos, e Eu vos aliviarei!” (Mateus 11:28).

            O túmulo de Jesus está vazio. Ele vive. Jesus te convida para crer nEle, para receber dEle o perdão e a vida eterna.

 

Foto do interior do túmulo de Jesus, em que se pode ver dois locais: parte onde o corpo foi colocado, e a parte onde as pessoas preparavam o corpo com aromas e bálsamos.
Foto do interior do túmulo de Jesus, em que se pode ver dois locais: parte onde o corpo foi colocado, e a parte onde as pessoas preparavam o corpo com aromas e bálsamos.

 

 

 

A Ressurreição e o Túmulo Vazio

 

Em Jerusalém, milhares de cristãos de diferentes continentes participaram da caminhada de Domingo de Ramos em lembrança à entrada de Jesus na cidade há mais de 2 mil anos.

Esses peregrinos participaram da tradicional celebração, no Monte das Oliveiras, com vista sobre a Cidade Velha de Jerusalém, marcando o início da Semana Santa.

Neste ano, o calendário ortodoxo cristão (calendário Juliano) coincide com o seguido pelos católicos e protestantes, logo, ao contrário do habitual, todas as celebrações foram realizadas ao mesmo tempo.

Enquanto isso, nos EUA e em outros países do mundo, as igrejas realizaram suas manifestações próprias, agitando ramos de palmeira nas ruas de suas comunidades locais, por exemplo.

Embora a igreja americana Harvest Christian Fellowship estivesse entre as muitas que não aderiram em procissões tradicionais com ramos nas mãos, o pastor Greg Laurie conseguiu que sua mega congregação começasse a meditar sobre o que Jesus fez por eles poucos dias depois de sua entrada em Jerusalém.

Aquele domingo foi um dia amargo para Jesus, afirmou o pastor durante o sermão. “Embora houvesse uma multidão alegre e gritos de "Hosanna" entre o povo, Jesus chorou. Ele sabia que o povo que o saudava e dizia ‘bem-aventurado é aquele que vem em nome do Senhor’ logo estaria gritando ‘crucifique-o’", explica.

O pastor ressalta ainda que Jesus também sabia que estava no caminho para a ressurreição, o que incluiria sua dolorosa morte na cruz.

"Antes da ressurreição gloriosa, haveria uma crucificação devastadora. Antes que houvesse um túmulo vazio, primeiro tinha que haver uma cruz cheia de sangue", explicou o conhecido pastor e evangelista.

A morte e ressurreição de Cristo é o acontecimento mais importante em toda a história humana, Laurie enfatizou.



“Isto é o que separa o Cristianismo das outras religiões. Você pode ir aos túmulos dos profetas e gurus e mostrar respeito, mas a tumba de Jesus Cristo, você descobrirá que está vazia porque Ele ressuscitou".

Mas antes de celebrarmos a ressurreição, os cristãos devem meditar também sobre os dias finais do tempo de Jesus na terra.

"Jesus Cristo morreu uma morte sangrenta e terrível. Deus tratou Jesus como se ele tivesse vivido a minha vida pecaminosa para que ele pudesse me tratar como se eu tivesse vivido a vida sem pecado de Jesus", pregou Laurie.

"Foi na cruz que Deus e os homens foram reconciliados mais uma vez... Nossa salvação foi comprada. O Calvário mostra o quão longe Deus iria para a salvação do homem", conclui.

Fonte: Christian Post
(A foto mostra a porta do túmulo de Jesus em Israel. Tradução da inscrição na placa: "Ele não está aqui - Ele se levantou")

............................................................................................................................

 

 

O Túmulo de Jesus Cristo

 

          

Não havia noticiário na televisão, no primeiro século. Mas, se tivesse havido você pode imaginar o que um comentarista poderia ter relatado na manhã da ressurreição, cerca de 2000 anos atrás: "Bom dia, senhoras e senhores. Aqui fala Claudius Marcellus diretamente de Jerusalém. Estamos aqui na cena de um desaparecimento espantoso... mas antes de discutir isso, deixem-me preencher alguns detalhes do cenário. Há cerca de três anos este homem, Jesus, começou a viajar pelo interior da Judéia pregando um novo tipo de religião. Enquanto conseguia muitos seguidores, ele desagradava à maioria dos líderes religiosos. Na manhã de quinta-feira, ele foi crucificado por acusação de traição e blasfêmia. À tarde, ele foi tirado da cruz e colocado num túmulo em forma de caverna, no qual agora me encontro. Agora, domingo de manhã, o corpo se foi. As únicas coisas deixadas são as mortalhas, bem dobradas e deixadas de lado. A cena aqui é de confusão e alvoroço. A pergunta na boca de cada pessoa é: 'O que aconteceu com o corpo? '“ 
            

 A questão do desaparecimento do corpo de Jesus de um túmulo em Jerusalém, dois milênios atrás, ainda é fundamental para a fé cristã. Cerca de 50 dias depois do "desaparecimento", os apóstolos de Jesus começaram a pregar sua ressurreição e milhares começaram a ser convertidos. Os céticos denunciavam os apóstolos e seu ensinamento e perseguiam violentamente os seguidores de Jesus, mas ninguém jamais disputou o único fato incontestável: o túmulo estava vazio. Teria sido impossível discutir este ponto. Uma caminhada de quinze minutos, por uma via de Jerusalém, até o túmulo poria a pessoa visualmente diante do fato: O túmulo estava vazio!

             
 A resposta à questão do túmulo vazio requer investigação da evidência, indo desde o depoimento de testemunhas a uma análise das circunstâncias. Esta evidência precisa ser objetivamente esmiuçada para determinar o que, de fato, aconteceu.


Fatos Verificáveis

1 - Jesus viveu.

Sobre isso não há dúvida substancial. Documentos escritos por cristãos (Mateus, Marcos, Lucas, João, Paulo, Pedro, etc.) no primeiro século confirmam este fato. Assim também o fazem os escritos de historiadores romanos (Tácito e Suetônio) e judeus (Josefo).

 2 - Jesus morreu.

Depois de ser espancado e açoitado, Jesus foi crucificado. Os soldados furaram seu lado, do qual escorreram sangue e água, confirmando que ele tinha morrido (João 19:33-34). O governador romano, Pilatos, depois de verificar sua morte, liberou o corpo para ser tirado da cruz e sepultado (Marcos 15:44).

 3 - Jesus foi sepultado.

Um proeminente chefe religioso judeu, que era um discípulo secreto de Jesus, um homem chamado José de Arimatéia, tinha um túmulo novo escavado na rocha, dentro do qual ele colocou o corpo de Jesus (Mateus 27:57-61; Marcos 15:42-47; Lucas 23:50-56; João 19:38-42). Diversas mulheres observaram José e seu amigo Nicodemos colocarem o corpo dentro do túmulo em forma de caverna e rolarem uma grande pedra sobre sua abertura. Eles tinham tido pouco tempo para embalsamar o corpo adequadamente, pois o sábado judaico começava ao pôr-do-sol do dia anterior. As mulheres fizeram planos para virem cedo na manhã de domingo com mais especiarias para completar o embalsamamento. Mas quando chegaram, encontraram a pedra tirada e nenhum corpo no túmulo.

 4 – Jesus ressuscitou.

Testemunhas oculares alegaram que viram Jesus vivo. Entre estas estavam discípulos que viram Jesus muitas vezes num período de 40 dias e puderam tocá-lo, falar com ele e até mesmo comer junto com ele. Como julgaríamos o depoimento destas testemunhas? Geralmente, avaliamos o testemunho por fatores tais como honestidade, competência e número. 

Honestidade: Os apóstolos nada ganhavam (dinheiro, popularidade, etc.) por terem pregado a ressurreição. De fato, foram freqüentemente perseguidos e até mortos por causa disso. Sua disposição a morrer por sua crença confirma sua integridade.

Competência: Os escritos destes homens demonstram competência mental, lucidez e atenção aos pormenores. O fato que muitos deles já conheciam bem Jesus e foram capazes de ter contato físico íntimo com ele certamente os coloca em posição de verificar a ressurreição.

Número: Normalmente, duas ou três testemunhas são suficientes para estabelecer um fato histórico, mas neste caso, houve literalmente centenas (1 Coríntios 15:6). A relutância inicial das testemunhas oculares em crer reforça seu testemunho (Marcos 16:11, 13; João 20:19-29). Alguns a quem Jesus apareceu nem eram discípulos antes de terem visto Jesus ressuscitado: seu irmão Tiago, por exemplo (João 7:5; 1 Coríntios 15:7) e Saulo (Paulo).Explicações

Teorias para Explicar a Ressurreição

Surgiram, ao longo da história recente, teorias para desacreditar a ressurreição de Jesus. Foram ideias elaboradas para explicar o que teria acontecido, pois seus proponentes não conseguem aceitar o fato da ressurreição de Jesus.


1 - Teoria do desfalecimento. Esta explicação sugere que Jesus não estava realmente morto quando o sepultaram. Ele só parecia estar morto, porém mais tarde “acordou” no túmulo. Mas, mesmo que ele não estivesse morto quanto deixado no túmulo, ele estaria severamente enfraquecido pela flagelação, pelo espancamento e pelas horas passadas na cruz. No seu sepultamento, seu corpo tinha sido firmemente enrolado com ataduras engomadas. Realmente, nesta condição enfraquecida, sem atendimento médico, poderia Jesus de algum modo ter revivido, sem considerar que tivesse removido o embalsamento como um casulo? Mesmo que tivesse, mais dois obstáculos teriam bloqueado seu caminho à liberdade: A grande pedra que tinha sido rolada sobre a boca da cova e os guardas romanos armados que estavam de plantão do lado de fora. Para, de algum modo, remover a pedra e superar os guardas, seria exigida uma grande força. Mais ainda, a evidência sugere que Jesus estava, de fato, morto quando foi sepultado. Os romanos crucificavam homens freqüentemente e estavam aptos a assegurarem-se da morte da vítima. A teoria do desfalecimento simplesmente não merece crédito.

         

2 - Teoria da sepultura errada. Esta afirma que todos, tanto amigos como inimigos, tinham esquecido onde Jesus tinha sido sepultado e estavam, portanto, olhando para uma sepultura na qual nenhum corpo tinha sido colocado. Isto explicaria o túmulo vazio. Mas e quanto aos aparecimentos de Jesus? E é possível que os amigos de Jesus, os soldados romanos e mesmo José, o proprietário da cova, todos terem esquecido sua localização apenas depois de dois dias? E por que as mortalhas de Jesus foram deixadas no túmulo?


3 - Teoria do roubo. Alguns pensam que os discípulos de Jesus roubaram o corpo e mais tarde declararam que ele tinha sido ressuscitado. Conquanto esta explicação seja a mais velha, é difícil levá-la a sério. Por que os discípulos teriam roubado o corpo? A proclamação de ressurreição por eles não lhes trouxe poder nem prestígio. Porém lhes acarretou severa perseguição e pobreza, jamais motivos para um roubo tão ousado. Eles morreram por seu testemunho da ressurreição; os homens morrem pelo que eles creem ser verdade, não pelo que sabem ser mentira. Considere também os padrões morais dos discípulos. É razoável que seu caráter inatacável e ensinamento puro fossem baseados numa mentira premeditada e roubo? Mas, mesmo que o quisessem, os discípulos não poderiam ter roubado o corpo porque o túmulo estava guardado por soldados especialmente encarregados da responsabilidade de prevenir o roubo desse corpo. A falta de um motivo, a natureza moral dos discípulos e os soldados romanos permanecem como testemunhas silenciosas. O corpo não foi roubado.

 

4 - Teoria da alucinação. Esta noção implica em que os discípulos, perturbados emocionalmente depois da morte de Jesus, apenas pensaram tê-lo visto vivo. Mas os relatórios destas testemunhas oculares não têm as características de alucinações. Eles envolveram tempos, lugares e grupos de pessoas diferentes. Os aparecimentos terminaram subitamente. Mais de 500 pessoas viram Jesus vivo ao mesmo tempo (1 Coríntios 15:6), mas alucinações são bem individuais. Além disso, esta teoria não tenta explicar o túmulo vazio. Jesus foi ressuscitado.

 

 


Implicações da Ressurreição

 

A ressurreição de Jesus garante nossa ressurreição (1 Coríntios 15; 1 Tessalonicenses 4:13-18)

A ressurreição de Jesus não é um assunto de mero interesse histórico, mas serve como o protótipo da ressurreição de todo ser humano. Sua ressurreição é a base para a esperança (1 Pedro 1:3). 

 

A ressurreição de Jesus prova que ele julgará o mundo (Atos 17:30-31)

Ele ainda vive e todos os homens o enfrentarão como Juiz, um dia. Este fato deve provocar sóbria reflexão em nossa vida. A ressurreição confirma as declarações de Jesus de ser o Filho de Deus (Romanos 1:4). Serve como fundamento de seu reinado (Efésios 1:19-23) e sacerdócio (Hebreus 7:23-28).


  A ressurreição de Cristo provê o modelo do batismo cristão (Romanos 6:3-5 e 1 Pedro 3:21)

Os pecadores precisam morrer para o pecado como Jesus morreu na cruz. Eles precisam ser sepultados com Jesus no batismo para que possam ser erguidos para caminhar numa nova vida, como Jesus foi erguido dentre os mortos.

            Uma reportagem noticiosa 1970 anos atrás teria perguntado: "O que aconteceu com o corpo?" Hoje somos desafiados a responder à mesma pergunta. O modo como respondermos mudará nossa vida.

 

 

 

Declarou-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que morra, viverá;

João 11:25

 

Porque, assim como por um homem veio a morte, também por um homem veio a ressurreição dos mortos.

1 Coríntios 15:21

 

Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que, segundo a sua grande misericórdia, nos regenerou para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos.

1 Pedro 1:3

 

Quem os condenará? Cristo Jesus é quem morreu, ou antes quem ressurgiu dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós.

Romanos 8:34

 

Porque, se cremos que Jesus morreu e ressurgiu, assim também aos que dormem, Deus, mediante Jesus, os tornará a trazer juntamente com ele.

1 Tessalonicenses 4:14

 

Portanto, se já ressuscitastes com Cristo buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado a destra de Deus.

Colossenses 3:1

 

Ora, eu vos lembro, irmãos, o evangelho que já vos anunciei; o qual também recebestes, e no qual perseverais, pelo qual também sois salvos, se é que o conservais tal como vo-lo anunciei; se não é que crestes em vão. Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras; que foi sepultado; que foi ressuscitado ao terceiro dia, segundo as Escrituras; que apareceu a Cefas, e depois aos doze; depois apareceu a mais de quinhentos irmãos duma vez, dos quais vive ainda a maior parte, mas alguns já dormiram; depois apareceu a Tiago, então a todos os apóstolos.

1 Coríntios 15:1 a 7

Varões galileus, porque estais olhando para os céu, esse Jesus que dentre vós foi recebido em cima dos céu há de vir, assim como para os céus o vistes ir.

Atos: 1:11

 

E eu, quando o vi (a Jesus) caí a seus pés como morto; e Ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo-me: Não temas, eu sou o Primeiro e o Último e o que vive; fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo sempre. Amém! E tenho as chaves da morte e do inferno.

Apocalipse 1:17 e 18


Pr. José Nogueira


2012-11-01 00:0

TV Cristo é Vida - Ao Vivo aos Domingo
Israel 2018

© IBFCV • Igreja Batista Fundamentalista Cristo é Vida

Avenida K, nº 911 - Planalto da Barra - Vila Velha - Fortaleza - Ceará - Brasil - CEP 60348-530 - Telefone: +55 85 3286-3330