Igreja Batista Fundamentalista Cristo é Vida

Bíblia Online

[ cristoevida.com ]

  • youtube
  • Instagram
  • twitter

Missões - TOM
Tempo de Oração por Missões

Israel - Fatos Que Todo Cristão Deveria Saber.



IGREJA BATISTA FUNDAMENTALISTA CRISTO É VIDA
www.cristoevida.com


2012-11-28 00:00:00

Israel - Fatos Que Todo Cristão Deveria Saber.

2 Samuel 7:22-24


Pr. José Nogueira


Igreja Batista Fundamentalista Cristo é Vida

Mensagem – 25/novembro/2012

65 Anos - Celebração da Assembleia da ONU que autorizou a criação do Moderno Estado de Israel – 29 de Novembro de 1947

ISRAEL

FATOS QUE TODO CRISTÃO DEVERIA SABER

22Portanto, grandioso és, ó SENHOR Deus, porque não há semelhante a ti, e não há outro Deus senão tu só, segundo tudo o que temos ouvido com os nossos ouvidos. 

23E quem há como o teu povo, como Israel, gente única na terra, a quem Deus foi resgatar para seu povo, para fazer-te nome, e para fazer-vos estas grandes e terríveis coisas à tua terra, diante do teu povo, que tu resgataste do Egito, desterrando as nações e a seus deuses? 

24E confirmaste a teu povo Israel por teu povo para sempre, e tu, SENHOR, te fizeste o seu Deus.

2 Samuel 7:22-24

1 - O Teu povo/A Tua Terra – Vs. 23

“E quem há como o teu povo, como Israel, gente única na terra, a quem Deus foi resgatar para seu povo, para fazer-te nome, e para fazer-vos estas grandes e terríveis coisas à tua terra, diante do teu povo, que tu resgataste do Egito, desterrando as nações e a seus deuses?”

            Na Aliança Davídica dois fatos são lembrados, reafirmados e prometidos: A formação do povo escolhido e a promessa da terra – Gênesis 12:1-3, 6-9; 15:12-21; e 17:1-7.

            Pergunta: Quando o SENHOR, Deus de Israel, o Deus de Abraão, Isaque e Jacó, revogou essa Aliança? Nunca. Ao contrário disso, o Novo Testamento a reafirma categoricamente – Atos 7:1-8; Romanos 11:25-29.

ð  Aplicação Espiritual: O que o rei Davi intentava fazer quando o SENHOR Deus lhe deu a promessa da Casa de Davi (Vs. 1 a 5)?

2 – A Queda do Homem – Gênesis 3

Tendo o homem caído, por haver desobedecido ao plano de Deus, o justo juízo de Deus foi lançado sobre a humanidade inteira. A tríplice morte (física, espiritual e eterna) começou a operar: o homem começou a envelhecer (corrupção física) e entrou a morte; o homem perdeu a comunhão com Deus (separado de Deus não tem capacidade de entender nem buscar ao Criador); e o ser humano, rebelde em seus pecados, merece a justa condenação de uma existência eterna sem Deus, em sofrimentos proporcionais aos seus pecados contra Deus, contra o próximo e contra si mesmo.

A misericórdia de Deus deu a primeira promessa de Redenção, em Gênesis 3:15, "E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar".

Esta promessa envolve pelo menos SETE elementos importantíssimos para a compreensão do plano bíblico da história da humanidade:

1 – Haveria duas "sementes" (descendências): a descendência da mulher (a promessa de um Redentor nascido de mulher) e a descendência da serpente (os que continuariam rebeldes ao plano de Deus por ouvir as mentiras e os sofismas do Diabo, como em Gênesis 3:1-6).

2 – As duas descendências seriam inimigas, visto que uma creria na promessa redentora de Deus, e a outra a rejeitaria de uma forma ou de outra.

3 – Um homem que faz parte da descendência da mulher seria ferido no calcanhar pela serpente, ou seja, uma pessoa seria mortalmente ferida pelo Diabo. Isto aconteceu na Cruz do Calvário, quando Jesus foi morto, devido à traição de Judas motivada por Satanás.

4 – A semente da mulher iria esmagar a cabeça da serpente: Jesus ressuscitou dentre os mortos e, vencendo a morte, triunfou sobre o plano satânico – Colossenses 2:13-15.

5 – As duas descendências são vistas facilmente na continuação do relato de Gênesis: A descendência de Caim, rebelde contra Deus (4:8-24), e a descendência de Sete (4:25-26 e seguintes).

6 – A promessa de Gênesis 3:15 envolve o plano redentivo de Deus para salvar o homem perdido através do sacrifício substitutivo de Jesus. O Filho de Deus, justo e sem pecado, deu a sua vida como resgate da vida do homem pecador que nEle crê – João 3:16-18 e 35-36.

7 – O proto-Evangelho de Gênesis 3:15 esclarece a divisão da humanidade: um grupo se submete ao Plano Gracioso de Deus, crendo e vivendo segundo Seus ensinos e promessas, mas outro grupo vive em rebelião ao projeto de Deus, ouvindo as mentiras satânicas, estabelecendo sua própria filosofia de vida e tendo esperança em si mesmos.

ð  Aplicação Espiritual: Jesus Cristo deixou isso bem claro quando disse, em João 8:47, “Quem é de Deus escuta as palavras de Deus; por isso vós não me escutais, porque não sois de Deus” – de qual descendência você faz parte (João 3:34-36)

3 – Abençoarei os que te abençoarem – Gênesis 12:1-3

1Ora, o SENHOR disse a Abrão: Sai-te da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei. 

2E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei e engrandecerei o teu nome; e tu serás uma bênção. 

3E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra. 

            A Bíblia Sagrada revela o Plano de Deus em escolher um homem para abençoar, formar dele uma família, um povo e uma nação. O propósito divino consiste que através desse povo Sua Palavra seja pregada e dessa descendência viesse o Cristo, o Messias de Israel.

            Para que isto acontecesse, há nessa promessa os seguintes elementos:

            1) Uma terra (Terra de Canaã).

            2) Formação de um povo (A Descendência de Abraão)

            3) Uma bênção para todas as nações (“em ti serão abençoadas todas as famílias da terra”).

            4) Consequências positivas e negativas quanto à Promessa de Deus (novamente a dupla descendência).

            5) O Novo Testamento estabelece que essa bênção para todo mundo, por meio de Israel, se cumpre em Cristo – Gálatas 3:16.

4 – O Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó – Gênesis 28:13-15

13E eis que o SENHOR estava em cima dela, e disse: Eu sou o SENHOR Deus de Abraão teu pai, e o Deus de Isaque; esta terra, em que estás deitado, darei a ti e à tua descendência;

14E a tua descendência será como o pó da terra, e estender-se-á ao ocidente, e ao oriente, e ao norte, e ao sul, e em ti e na tua descendência serão benditas todas as famílias da terra; 

15E eis que estou contigo, e te guardarei por onde quer que fores, e te farei tornar a esta terra; porque não te deixarei, até que haja cumprido o que te tenho falado. 

            A promessa de Abraão passou à sua descendência, de seu filho Isaque a seu neto Jacó. Jacó teve 12 filhos (das doze tribos se formou Israel).

            Na promessa a Jacó estão contidos de forma irrevogável todos os mesmo elementos da Promessa Abraâmica.

5 – O Exílio de 400 anos no Egito – Atos 7:2-7

2E ele disse: Homens, irmãos, e pais, ouvi. O Deus da glória apareceu a nosso pai Abraão, estando na Mesopotâmia, antes de habitar em Harã, 

3E disse-lhe: Sai da tua terra e dentre a tua parentela, e dirige-te à terra que eu te mostrar. 

4Então saiu da terra dos caldeus, e habitou em Harã. E dali, depois que seu pai faleceu, Deus o trouxe para esta terra em que habitais agora. 

5E não lhe deu nela herança, nem ainda o espaço de um pé; mas prometeu que lhe daria a posse dela, e depois dele, à sua descendência, não tendo ele ainda filho. 

6E falou Deus assim: Que a sua descendência seria peregrina em terra alheia, e a sujeitariam à escravidão, e a maltratariam por quatrocentos anos. 

7E eu julgarei a nação que os tiver escravizado, disse Deus. E depois disto sairão e me servirão neste lugar. 

            A descendência de Jacó violou a Promessa da Terra, e estabeleceu-se no Egito, onde inicialmente foram bem tratados. Contudo, a desobediência gera disciplina e foram duramente maltratados no Egito. Em 1450 a.C., o SENHOR Deus levantou Moisés para guiar, por 40 anos, o povo de volta à Terra Prometida – Atos 7:31-36.

6 – Mais dois Exílios: Um de 70 anos e outro de mais de 1800 anos

Exílio Babilônico – Jeremias 29:1-4

1E estas são as palavras da carta que Jeremias, o profeta, enviou de Jerusalém, aos que restaram dos anciãos do cativeiro, como também aos sacerdotes, e aos profetas, e a todo o povo que Nabucodonosor havia deportado de Jerusalém para Babilônia 

2(Depois que saíram de Jerusalém o rei Jeconias, e a rainha, e os eunucos, e os príncipes de Judá e Jerusalém, e os carpinteiros e ferreiros), 

3Pela mão de Elasa, filho de Safã, e de Gemarias, filho de Hilquias (os quais Zedequias, rei de Judá, tinha enviado a Babilônia, a Nabucodonosor, rei de Babilônia), dizendo: 

4Assim diz o Senhor dos Exércitos, o Deus de Israel, a todos os do cativeiro, os quais fiz transportar de Jerusalém para Babilônia.

            Depois do retorno do Egito, o povo de Israel formou um país na Terra de Canaã, primeiramente liderados por Juízes, depois pelo rei Saul e a seguir pela Casa (dinastia) de Davi.

            Em 606 a.C. , por causa de seus pecados e por não ouvirem a Palavra de Deus que os exortava, começaram a ser exilados para a Babilônia.

            Houve a primeira leva (606 a.C., em que foram levados muitos nobres – Daniel 1).           

            Depois aconteceu a segunda leva (596 a.C., quando foram exilados muitos dos comerciantes, trabalhadores especializados e famílias, como o profeta Ezequiel).

            Por fim, houve a terrível plenitude do Exílio Babilônico, ao serem destruídas as casas, muralhas, palácios, construções e o Tempo de Jerusalém, em 586 a.C.  E o restante dos sobreviventes foram levados para a Babilônia.

            Conforme profetizado e advertido pelo profeta Jeremias, o Exílio na Babilônia duraria 70 anos – Daniel 9:1-2 (ver Jeremias 25:11-12). Assim em 536 a.C. Deus trouxe de volta o Seu povo para a Terra Prometida.

Exílio das Nações – Mateus 23:37-39

            O povo de Israel viveu na Terra de Israel, mas foi um povo vacilante e de ânimo dobre – que oscilou entre a obediência a Deus e seguir seus rumos sem confiar nem obedecer a Deus. Reconstruíram a cidade e o Templo do SENHOR. Mas o ápice de sua rebeldia aconteceu no ano 30 d.C., quando João Batista anunciou que o Yeshua (Jesus) é HaMashiach (o Messias de Israel). Embora tivessem vistos os sinais e as credenciais do Messias, a quase totalidade o rejeitou, entregando-O aos romanos para ser crucificado.

            Conforme a profecia de Jesus, a cidade e o templo foram destruídos pelo Império Romano, no ano 70 d.C., sendo os sobreviventes espalhados por todas as partes do mundo, como diz, na linguagem bíblica, pelos quatro cantos da terra.

7 – O Último Retorno – Lucas 21:24

            “E cairão ao fio da espada, e para todas as nações serão levados cativos; e Jerusalém será pisada pelos gentios, até que os tempos dos gentios se completem.”

            Conforme Jesus, Jerusalém continuará sendo pisada até que os Tempos dos Gentios se completem. O Tempo dos Gentios começou em 586 a.C., quando Jerusalém foi pela primeira vez destruída e Israel perdeu sua autonomia e soberania (a partir de então Israel sobrevive sem rei e sua terra sendo tomada e disputada por vários impérios gentios: Babilônia, Média-Pérsia, Grécia, Roma, Turco-Otomano, Inglaterra, hoje a Jordânia controla o Monte do Templo). Podemos dizer que o ápice desse fatídico tempo aconteceu em no  ano 70 d.C., quando os judeus perderam a soberania sobre o lugar mais sagrado de Israel: o Monte do Templo.

            Vivemos na época de uma profecia em cumprimento, pois vários profetas vaticinaram que havendo um retorno dos Quatro Cantos da terra, os judeus nunca mais seriam novamente exilados da Terra de Israel – Isaías 11:12; Jeremias 23:7-8; Ezequiel 37:21 e 25-28; Sofonias 3:17-20.

            A profecia de Isaías 66:8 se cumpriu diante desta geração, em duas fases:

          Hoje vemos a Figueira brotando, e os judeus voltando para Israel dos quatro cantos do mundo – Marcos 11:12-14 e 13:28-31. 

ð  Aplicação Espiritual: Dois textos gêmeos – Jeremias 31:35-37 e Romanos 11:1-2.

“35 Assim diz o Senhor, que dá o sol para luz do dia, e as ordenanças da lua e das estrelas para luz da noite, que agita o mar, bramando as suas ondas; o Senhor dos Exércitos é o seu nome. 

36 Se falharem estas ordenanças de diante de mim, diz o Senhor, deixará também a descendência de Israel de ser uma nação diante de mim para sempre. 

37 Assim disse o Senhor: Se puderem ser medidos os céus lá em cima, e sondados os fundamentos da terra cá em baixo, também eu rejeitarei toda a descendência de Israel, por tudo quanto fizeram, diz o Senhor”.

Jeremias 31:35-37

“1Digo, pois: Porventura rejeitou Deus o seu povo? De modo nenhum; porque também eu sou israelita, da descendência de Abraão, da tribo de Benjamim. 

2Deus não rejeitou o seu povo, que antes conheceu.” 

Romanos 11:1-2A

Observação: Para os querem conhecer melhor a História de Israel, colocamos abaixo uma cronologia dos principais eventos da história e que têm relação com a Bíblia e suas profecias:

 

Breve História de Israel

Essa data é importantíssima tanto no sentido da história como no aspecto profético. É o dia da criação do Moderno Estado de Israel. A seguir apresentamos as principais datas relacionadas a Israel:

3.000 atrás (Cerca de 1010 a.C.) – O rei Davi conquistou a fortaleza dos jebuseus, transformando-a na capital do Reino de Israel (2 Samuel 5:1-7), lá ficava o monte Moriá, onde Abraão (mil anos antes) foi provado por Deus quanto ao ‘sacrifício’ de seu filho Isaque (Gênesis 22:1-19).

606 a.C. – Primeiro cerco de Nabucodonosor, e o primeiro cativeiro babilônico (Daniel e uma elite é levada para o exílio Babilônico.Houve a segunda leva de cativos em 596 a.C.

586 a.C. – Destruição de Jerusalém e do Templo construído por Salomão, e o grande exílio dos judeus para a Babilônia.

536 a.C. – O retorno dos judeus para Israel, com Esdras e Neemias, conforme a profecia dos 70 anos de Exílio, de Jeremias (Jeremias 25:11-12 e Daniel 9:1-3) – de 606 a.C. até 536 a.C. = 70 anos.

333 a.C. – Alexandre Magno, na expansão do Império Grego, conquista Jerusalém.

165 a.C. – Revolta dos Macabeus e reconquista judaica de Jerusalém.

60 a.C. – O Império Romano conquistou todo o norte da África e o Oriente Médio, inclusive Israel.

70 d.C. – Revolta judaica contra Roma, tendo como conseqüência a destruição de Jerusalém e do Templo construído por Herodes, e a dispersão dos judeus.

73 d.C. – O último e mais heróico movimento de resistência contra Roma, a Fortaleza de Massada (“Lugar Seguro”), caiu. Contudo, ninguém foi feito prisioneiro, quando as legiões romanas tomaram o local, os judeus haviam se suicidado (não estavam mais lá!).

637 d.C. – O califa Omar conquistou Jerusalém; e em 691 foi construído o Domo da Rocha, no Lugar do Templo de Yahweh.

1099 d.C. – As cruzadas assassinam os hierosolimitanos judeus e muçulmanos, e fizeram de Jerusalém a Capital dos Cruzados.

Séculos XIII a XV d.C. – Domínio dos Mamelucos, aristocracia militar egípcia.
1517 a 1917 – Domínio turco, quando Suleiman, o Magnífico, reconstruiu muralhas e fontes públicas. Após sua morte, Jerusalém foi desprezada pela administração de Constantinopla.

Século XIX – Com o declínio do Império Otomano, judeus começaram a voltar para Eretz-Israel. Um crescente número de imigrantes judeus da Europa voltavam para terra de seus pais.Empresários e banqueiros judeus compraram muitas terras, propriedades históricas e construções, e ajudam os imigrantes judeus a se estabelecerem na Terra de Canaã.

1917 (Durante a I Grande Guerra Mundial - 1914/1918) – O general inglês Allemby, crente em Cristo, toma Jerusalém sem dar um tiro, dando ensejo à promessa do Governo Inglês de devolver Jerusalém para os judeus, que os ajudaram a vencer a I Guerra Mundial. Contudo, a Inglaterra não cumpriu sua promessa.
E no início do Século XX, continuou o retorno de judeus para Israel, mesmo com a oposição e perseguição do Reino Unido.

1939 – 1945 – II Guerra Mundial, judeus ajudam os aliados contra Alemanha, Itália e Japão, e defendem Jerusalém.

29 de Novembro de 1947 – Assembleia da ONU que aprovou a criação do Estado Judeu, na Terra de Israel. 

14 de Maio de 1948 – A Fundação do Moderno Estado de Israel. 


0





Pedidos de oração:

© IBFCV • Igreja Batista Fundamentalista Cristo é Vida

Avenida K, nº 911 - Planalto da Barra - Vila Velha - Fortaleza - Ceará - Brasil - CEP 60348-530 - Telefone: +55 85 3286-3330