Igreja Batista Fundamentalista Cristo é Vida

Bíblia Online

[ cristoevida.com ]

  • youtube
  • Instagram
  • twitter

Missões - TOM
Tempo de Oração por Missões

O Engano do Mal e a Armadura de Deus.



IGREJA BATISTA FUNDAMENTALISTA CRISTO É VIDA
www.cristoevida.com


2013-05-17 00:00:00

O Engano do Mal e a Armadura de Deus.

Por Vincent Cheung


Pr. José Nogueira


Em Efésios 6:11, há esta importante instrução: “Vistam toda a armadura de Deus, para poderem ficar firmes contra as ciladas do diabo”. A palavra traduzida por “ciladas” aqui (grego: methodeia) refere-se à trapaça ou engano – engano é o “método” pelo qual Satanás procura derrotar o crente. É vestindo “toda a armadura de Deus” que seremos capazes de “ficar firmes contra” o diabo.

 

Pedro adverte que o diabo deseja nos atacar: “Estejam alertas e vigiem. O diabo, o inimigo de vocês, anda ao redor como leão, rugindo e procurando a quem possa devorar. Resistam-lhe, permanecendo firmes na fé, sabendo que os irmãos que vocês têm em todo o mundo estão passando pelos mesmos sofrimentos” (1 Pedro 5:8-9). Ele está nos dizendo para ficarmos acordados –– “estejam alertas e vigiem”. Há um inimigo que deseja nos destruir, e ele é o diabo. Embora ele esteja “rugindo e procurando a quem possa devorar”, nós podemos “resisti-lo” e permanecer inamovíveis em nossa posição de fé. O apóstolo João nos assegura, “Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não está no pecado; aquele que nasceu de Deus o protege, e o Maligno não o atinge” (1 João 5:18).

 

Deus nos instrui a estarmos preparados. O engano é a arma de Satanás. Ele mentirá para nós, e tentará nos bombardear com pensamentos e argumentos anti-bíblicos, e aqueles que falham em “escapar da armadilha do diabo” são “aprisionados para fazerem a sua vontade” (2 Timóteo 2:26). Por outro lado, Jesus diz, “Se vocês permanecerem firmes na minha palavra, verdadeiramente serão meus discípulos. E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará” (João 8:31-32).

 

Somente os cristãos são verdadeiramente livres. O resto do mundo “está sob o controle do Maligno” (1 João 5:19). Este é o porquê somente os cristãos possuem e concordam com a verdade, e através das lentes da Escritura, eles são capazes de ver realmente como ela é. Com respeito aos não-cristãos, Paulo diz, “O deus desta era cegou o entendimento dos descrentes, para que não vejam a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus” (2 Coríntios 4:4). Todos os não-cristãos estão cegos em suas mentes, e dessa forma, negam a realidade. A mente é onde a batalha é travada. Mesmo após você se tornar um cristão, o diabo continuará a atacar a sua mente com mentiras, e a tentar minar sua fé em Cristo.

 

Jesus nos providencia alguns discernimentos valiosos sobre a natureza do diabo quando Ele diz aos fariseus, “Vocês pertencem ao pai de vocês, o diabo, e querem realizar o desejo dele. Ele foi homicida desde o princípio e não se apegou à verdade, pois não há verdade nele. Quando ele mente, fala a sua própria língua, pois é mentiroso e pai da mentira” (João 8:44). Quando o diabo diz uma mentira, ele está fazendo algo que é próprio de sua natureza. Mentir é natural ao diabo. Assim, ele ataca o povo de Deus espalhando mentiras que afastam as pessoas de Deus.

 

Isto significa que a natureza do nosso conflito espiritual contra o diabo é intelectual. Como Paulo diz: “As armas com as quais lutamos não são armas do mundo; ao contrário, elas têm poder divino para destruir fortalezas. Destruímos argumentos e toda pretensão que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levamos cativo todo pensamento, para torná-lo obediente a Cristo” (2 Coríntios 10:4-5). As armas que Deus nos deu “têm poder divino para destruir fortalezas ”, as quais são, na realidade, “argumentos” que são “contra o conhecimento de Deus”. Assim, lutamos para “levarmos cativo todo pensamento, para torná-lo obediente a Cristo”. É assim que a batalha espiritual é feita, e é para este propósito que Deus nos deu “toda a armadura de Deus”.

 

Continuando em Efésios 6:12, Paulo escreve, “Pois a nossa luta não é contra carne e sangue, mas contra governos e autoridades, contra os poderes deste mundo de trevas e contra as forças espirituais do mal nas regiões celestiais”. A nossa luta não é natural, mas espiritual, e como estamos envolvidos numa batalha espiritual significa que nosso conflito tem a ver com intelecto, com idéias e argumentos.

 

Dizer que nossa luta é uma luta espiritual não faz dela uma luta mística –– uma que consiste de espadas invisíveis, escudos e setas. Ao dizer que temos armas com “poder divino”, Paulo se refere à capacidade dada por Deus para “destruímos argumentos e toda pretensão que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levarmos cativo todo pensamento, para torná-lo obediente a Cristo”. Não pensemos, como alguns tendem a fazer, que por “espiritual” nos referimos a algo místico ao invés de intelectual, pois é a mente e o intelecto que trata com coisas espirituais.

 

Utilizando o poder de Deus através de um entendimento intelectual da verdade teológica, podemos ficar confiantes do resultado. Mencionamos no capítulo anterior que Deus está aplicando a você o mesmo poder que ressuscitou Jesus dos mortos. É este mesmo poder que energiza nosso trabalho cristão: “Nós o proclamamos, advertindo e ensinando a cada um com toda a sabedoria, para que apresentemos todo homem perfeito em Cristo. Para isso eu me esforço, lutando conforme toda a sua força, que atua poderosamente em mim” (Colossenses 1:28-29). Satanás não pode resistir a este poder. Este é o porquê quando “vestimos toda a armadura de Deus”, seremos capazes de “ficar firmes contra as ciladas do diabo”. Este é o porquê também o apóstolo Tiago pôde assegurar aos seus leitores, dizendo, “Portanto, submetam-se a Deus. Resistam ao diabo, e ele fugirá de vocês” (Tiago 4:7).

 

Certamente, ao discutir a obra do diabo, devemos guardar em mente que mesmo o diabo está debaixo do controle soberano de Deus, e que ele não pode fazer nada que não tenha sido ativamente decretado por Deus. Assim, até mesmo o diabo é um meio pelo qual Deus pode realizar os Seus próprios propósitos. A qualquer momento, Deus pode aniquilá-lo; contudo, Deus ordenou que deveríamos resistir ao diabo pelo conhecimento da Escritura e pela energia do Espírito – para a glória de Deus e para a nossa santificação.

.....................................................................................

 

Agora, conhecendo que a luta se trava em nossa mente, vamos ler o Capítulo 5, da Primeira Epístola de Paulo aos Coríntios. Aqui vamos nos surpreender com a revelação de que o SENHOR Deus, em Sua sabedoria e Soberania, pode usar até mesmo o Diabo para a repreensão e santificação do Seu povo:

Paulo diz, nos versículos 2, 7 e 13, que o homem que é culpado de tamanha imoralidade impenitente deve ser removido da igreja: "Expulsem esse perverso do meio de vocês." (v.13) Mas ele dá a resposta mais completamente nos versículos 3-5: "Apesar de eu não estar presente fisicamente, estou com vocês em espírito. E já condenei aquele que fez isso, como se estivesse presente." Em outras palavras, Paulo não pode estar lá em pessoa, mas diz que ele exercerá a influência que puder à distância (talvez em oração) para garantir que a disciplina será efetiva.

 

Ele continua no versículo 4: "Quando vocês estiverem reunidos em nome de nosso Senhor Jesus [e é por isto que não estamos fazendo isto privadamente, mas reunidos na igreja], estando eu com vocês em espírito [em outras palavras, vocês podem contar com a aprovação de Paulo e a presença de sua influência através da oração], estando presente também o poder de nosso Senhor Jesus Cristo, 5 eu decidi [que vocês devem] entregar esse homem a Satanás, para que o corpo seja destruído, e seu espírito seja salvo no dia do Senhor."

 

Pode ser que, simplesmente expulsando uma pessoa da comunidade, seja o mesmo que entregá-la a Satanás, mas acho que não. Quando Paulo diz, no final do versículo 4, "com o poder do Senhor Jesus", acho que ele nos mostra que algo mais está acontecendo - algo que precisa do poder de Jesus para ser realizado. Paulo fez isto pelo menos uma outra vez, que sabemos (1 Tim. 1:20): "Entre eles estão Himeneu e Alexandre, os quais entreguei a Satanás, para que aprendam a não blasfemar."

 

O que parece estar à vista é algo como o que aconteceu no livro de Jó. O único outro lugar na Bíblia, fora das cartas de Paulo, onde "entregar alguém a Satanás", com estas mesmas palavras, ocorre é em Jó 2:6, que diz, literalmente, "E o Senhor disse a Satanás, 'Pois bem, ele [Jó] está em suas mãos; apenas poupe a vida dele."

 

O próximo versículo diz, "Saiu, pois, Satanás da presença do Senhor e afligiu Jó com feridas terríveis, da sola dos pés ao alto da cabeça." E o resultado da finalidade da graça de Deus? Jó 42:6-7: "Por isso menosprezo a mim mesmo e me arrependo no pó e na cinza".

 

Então Satanás tornou-se o meio, sob o controle soberano de Deus, para purificar o coração de Jó e trazê-lo para o mais perto de Deus que jamais esteve. Este não é o único local onde Deus usa Satanás para isto. Em 2 Coríntio 12, Paulo descreve seu espinho na carne como um mensageiro de Satanás, que Deus submete para a humildade de Paulo e a glória de Cristo. Versículo 7: "Para impedir que eu me exaltasse por causa da grandeza dessas revelações, foi-me dado um espinho na carne, um mensageiro de Satanás, para me atormentar - para impedir que eu me exaltasse!"

 

Quando Paulo orou para que Jesus o retirasse, a resposta que teve foi, "Minha graça é suficiente para você, pois o poder é perfeito na fraqueza." Note que aquele que controla se o "mensageiro de Satanás" fica ou vai é Cristo. É por isto que é tão significativo em nosso texto (v. 4) quando Paulo diz que entregar alguém a Satanás é "com o poder do Senhor Jesus". Não temos o poder ou a autoridade, em nós mesmos, para fazer isto.

 

Termino com o que espero contenha tanta esperança para vocês como contém para mim. Jesus é o soberano de Satanás. E ele usa Satanás, nosso arqui-inimigo, para salvar e santificar seu povo. Ele trouxe Jó à penitência e à prosperidade. Ele trouxe Paulo ao ponto onde ele poderia exultar na tribulação e tornar manifesto o poder de Cristo.

 

E Paulo espera que o resultado da entrega deste homem a Satanás será a salvação de seu espírito no dia de Cristo. Em outras palavras, o objetivo de Paulo - nosso objetivo - em entregar alguém para Satanás é que a miséria virá de tal forma que a pessoa dirá com Jó, "Meus olhos viram o Senhor, por isso menosprezo a mim mesmo e me arrependo no pó e na cinza".
..................................................................................................

 

Agora façamos uma aplicação bem sincera e direta de tudo que lemos, refletimos e aprendemos:

 

Em nosso CBD (Centro Bíblico Discipular), estamos estudando, na cadeira de TEOLOGIA SISTEMÁTICA II, a Doutrina de Angelologia (Doutrina dos Anjos). Por isso, tanto espaço e tantos textos sobre os anjos caídos. Área que é muito pouco estudada seriamente, mas em que há tantos desvios doutrinários em muitas igrejas de hoje.
O perigo que ocorre é o de exagerar ou subestimar a importância da atuação maléfica do Diabo e seus demônios no ministério da igreja e na vida cristã.
Se de um lado há muitos que ignoram totalmente as influências, ciladas e artimanhas do mal nos crentes e nas igrejas, há outros que enfatizam em demasia atribuindo a Satanás e aos demônios os seus próprios erros e desvios de conduta e de fé.
Então há os que não veem, não percebem e não alertam contra os ataques do Maligno, e tantos outros há que veem em tudo o Diabo, atribuem aos demônios tudo que lhes acontece.
Ou seja, há os que não enxergam. E há os que só enxergam.

 

Aos que estão despercebidos, o perigo é óbvio. Se não somos alertados quanto às armadilhas, fica mais fácil cair nelas. Se não abrimos os olhos para nos precaver sobre as ciladas, ardis e sofismas, ficamos a mercê de ser enganados, seduzidos e vitimados pela estratégia maligna.

 

Contudo, as ênfases demasiadas que hoje muitos estão dando a Satanás estão lhes deixando desarmados quanto aos ímpetos pecaminosos que estão escondidos dentro deles mesmos. De nada adianta amarrar Satanás (como eles dizem), se não amarrar também os nossos instintos. Podemos dizer: Estão dando muita importância ao inimigo externo e pouca importância ao inimigo interno.

 

Não se faz uma igreja santa desferindo golpes apenas em Satanás. É preciso esmurrar também o corpo do pecado, obrigando-o a ser completamente controlado (1 Coríntios 9:27). Foi exatamente essa técnica que Deus propôs a Caim nos primórdios da história do pecado: "Eis que o pecado jaz à porta; o seu desejo será contra ti, mas a ti cumpre dominá-lo"(Gênesis 4:7).

 

 Portanto, antes de “amarrar” Satanás...

 

* Amarre sua lingua: Ela é um mal incontrolável cheio de veneno mortífero.

 

* Amarre seu gênio: Se você não suporta uma ofensa, uma crítica, uma dor, você é incapaz de viver neste mundo.

 

* Amarre o pecado que habita em você e deixe à mingua o apetite da carne.

 

Ofereça o seu corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus (Romanos 12:1-2).

 

Depois de tudo “amarrado”, sinta-se à vontade para amarrar Satanás, no sentido de resistir às suas artimanhas e as suas investidas periódicas.

 

E faça isso com a autoridade de quem já “se amarrou” primeiro.

 

Sempre em nome de Jesus!


0





Pedidos de oração:

© IBFCV • Igreja Batista Fundamentalista Cristo é Vida

Avenida K, nº 911 - Planalto da Barra - Vila Velha - Fortaleza - Ceará - Brasil - CEP 60348-530 - Telefone: +55 85 3286-3330